De como Prossegue

jack-kerouac-writingO caixote do lixo revela-se o sorvedouro essencial. Aquilo que este falha em absorver, escorre em forma de revistas juvenis, concursos de província, e outros quejandos, rodeados pelo zumbir das moscas imprimidoras.

Nenhuma forma de escrita é completamente repreensível, mas parece-me incontornável submetermo-nos à selecção natural.

Devido ao congénito mau cheiro, impõe-se um banho de humildade. Vergarmo-nos perante as bibliotecas que estão à espera de ser lidas, todas as coisas que outros conseguiram dizer de todas as maneiras. E não só os clássicos. Quem escreve sem ler, e sobretudo quem escreve depois de somente ter lido literatura, escreve mal ou não o faz de todo. As novas, refrescadas formas de dizer o mesmo, de um modo que quase aparente nunca tê-lo sido, exigem filosofia, sociologia, viagem, e outras coisas que nada têm que ver com papel e caneta.

Composto o bornal, feito de provisões que nos mantenham na grande empresa, parte-se então em busca do tal esquema, estrutura, rede. Para além dos tijolos (ideias) e argamassa (lógica), nada se ergue sem um plano arquitectural, ou dito de outra forma, o edifício está condenado a cair ainda durante os trabalhos se não forem seguidas as linhas orientadoras previamente traçadas a regra e esquadro.

Estamos agora em velocidade de cruzeiro.

Existe a matéria-prima e o plano que lhe dá propósito. Sabemos o que dizer, como, durante quanto tempo, para quem e para quê.

Não é, contudo, caso para celebração. Há tudo o resto que ainda espreita.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s